segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Um freiriano de verdade



Conheço educadores demais que falam de Paulo Freire, citam Paulo Freire, idolatram Paulo Freire, que têm retratos de Paulo Freire pendurados em suas salas. Mas os conheço de menos na prática cotidiana daquilo que o mestre pernambucano ensinou: respeito ao conhecimento do outro, espaço para a autonomia, relações verdadeiramente amorosas, construção solidária e cooperativa do saber. 

Dentre esses poucos há um em particular que me emociona. Chama-se Leopoldo Nogueira. É formado em Pedagogia e é mais um dos tantos professores temporários da rede municipal de ensino de Florianópolis. Ser um "temporário" já é uma grande barra. O professor não tem direito algum, não tem férias, nem segurança, nem décimo terceiro. Quando chega o final do ano ele é demitido e tem de fazer a cada ano o processo seletivo. Nada garante que ele vá passar, nem, se passando, vá voltar para a mesma escola, o que faz com que seja quase impossível estabelecer um vínculo amoroso com os educandos e com a escola. 

O Leopoldo faz das tripas coração para driblar essa forma perversa que o estado encontrou para "deseducar". Afinal, como é possível uma educação sem a quentura amorosa da proximidade do professor, da relação humana, do compromisso? Um professor paulofreiriano precisa inventar-se a toda hora para superar o crime imposto pela irresponsabilidade do estado. Leopoldo foi chamado para atuar na sala de informática da Escola Beatriz de Souza Brito, que fica no bairro Pantanal. Em poucos meses ele já havia estabelecido uma ligação tão profunda com estudantes e professores que as belezas escondidas da educação começaram a fluir. Seu método de trabalho é o amor. Não a coisa piegas do sentimento. Não. É o amor compromisso, do qual fala Enrique Dussel, o que se compromete com o outro, diferente, mas real. Seu campo de "brincadeiras educativas" é a América Latina, ou Abya Yala (o nome originário) a qual faz questão de carregar por onde vai. Nenhuma criança que passe por seu caminho sai dele sem conhecer as raízes profundas do espaço geográfico onde vive. Leopoldo atua na educação fundamental e sua pedagogia é a brincadeira, o riso, o trabalho verdadeiramente solidário e participativo. Cada ação promovida na escola tem a mão, a mente e o coração de todas as crianças. Não é sem razão que quando ele chega no portão, elas irrompam em transloucada gritaria, de pura festa. 

Com os alunos ele produz vídeos, imagens, pesquisas, saberes, conhecimento. É sempre uma educação "com" a criança, nunca para a criança. Na alegria das peraltices, como subir nas árvores para descobrir os passarinhos, ele vai descortinando a vida e promovendo a educação. No final do ano, mesmo sem saber se voltaria no ano seguinte, ele iniciou a construção de um calendário para 2013. Cada grupo de alunos iria pesquisar sobre uma árvore. E assim foi. Os pequenos ocuparam seus dias na incessante busca de informação que se concretizou num trabalho lindo, totalmente feito por dezenas de mãos. Em cada mês do ano, ali está, a árvore, sua história, suas funções, sua flor e suas semente, assim como a carinha sorridente da equipe que a desvelou. Na pedagogia do Leopoldo, os alunos não são "atores sociais", aqueles que falam com a voz do outro. Eles são "autores", aqueles que criam a sua própria palavra. 

Eu, que acompanho o delicado trabalho que Leopoldo faz, me pego em lágrimas quando o vejo, nas férias, já sem vencimentos, suando em bicas, carregando seu laptop velho, buscando um ponto de internet para terminar seu trabalho, com aquele entusiasmo só possível em pessoas que se doam inteiras para seus sonhos. E os olhos brilhantes varam as noites em busca da melhor imagem, a melhor palavra, a melhor ideia. Tudo para depois compartilhar nas manhãs ensolaradas do Pantanal em meio a insana gritaria criadora. 

Às vezes, de dentro do ônibus que me leva para o centro, o vejo descendo a ladeira da Escola, cercado pelos alunos, na algaravia infernal. E ele, gordito e sorridente, vai contando histórias, registrando carinhas, fazendo brincadeiras, girando o guarda-chuva colorido. E tem essa capacidade tão imensa de se fazer igual que, num átimo, ele se apequena, perde a barba branca, se adelgaça e vira mais um menino, de olhos graúdos feito jabuticaba  a fazer traquinagens pelas ruas do Pantanal. Paulo Freire deve olhar para ele lá de cima e sorrir, satisfeito.

2 comentários:

Quem disse que na vida da gente não tem poesia? disse...

Que lindo! Sorte dessas crianças! Ainda bem que existem professores assim!!!

Unknown disse...

Leo, fiquei emocio
nada e profundamente orgulhosa de fazer parte de sua vida.Você merece todo o reconhecimento por seu trabalho maravilhoso. Beijos coloridos!!!