segunda-feira, 23 de maio de 2022

Sábado Santo



Sábado é um dia que eu tiro pra mim. Os cuidados com o pai me exigem demais e a gente precisa de uma janela para oxigenar a existência. A minha é no sábado. Eu acordo bem cedo, como sempre, e enquanto a casa toda dorme eu ajeito o cantinho do pai que fica na sala. Arrumo as mantas, passo um pano com cheirinho bom, tiro o pó, deixo tudo ajeitadinho. Depois, tomo café e leio um pouco até umas oito e meia. Tenho de aproveitar o silêncio. Aí é hora de começar a me preparar para ir para a rádio, onde tenho um programa das onze ao meio dia. Sempre vou cedo para arrumar a rádio, preparar tudo. 

Geralmente o pai dorme até às 10 horas, mas ontem ele acordou antes de eu sair. Aí não tem escapatória. Tenho de ajudar ele a levantar. Arrumo as roupas, dou banho de gato – que é que é possível nesse frio -  e trago para tomar café. Nesse ínterim o resto do povo já levantou então entrego o pai para eles e vou para a rádio. Pedro e Renato ficam no comando. Eu pego a bicicleta e saio na pernada. A rua resplandece ao sol. Os vizinhos estão sentados nas calçadas, uns tomando mate, outros só lagarteando. Bom dia. Bom dia. Bom dia. Vou passando e deixando sorrisos.  

Na rádio a manhã passa voando. O programa tem uma hora, mas conseguimos trazer sempre um bom conteúdo. Terminada a função é hora de ir para o Bar do Zeca, tradição desses 16 anos de Rádio Campeche. Na beira da praia, com os amigos queridos. Rola solta a cerveja e sempre beliscamos um peixinho. Tenho amigos especiais. Eles se importam comigo e com a  minha vida, então é nessa hora que abre-se a assembleia para buscar soluções para os meus problemas cotidianos. Surgem as ideias mais mirabolantes. Rimos muito. É bom demais. Eu os amo.

Lá pelas três horas tomo o rumo de casa depois destas horas estelares regadas à cerveja. Chego e já me espera o pai. Pedro e Renato saem e eu fico. Tudo recomeça. É hora de ver os calouro do Raul Gil e depois preparar a janta. Então, vem a hora de dormir e todo o ritual de arrumação do seu Tavares. Feito isso, ele se embola nas cobertinhas e eu fico ao seu lado, velando até ele dormir. Quando ele ressona é minha hora de embolar na quenturinha... 

E assim termina mais um sábado santo, um dia ordinário, como diz Adélia Prado, mas bunitu dimaisdaconta, e eu agradeço!


domingo, 15 de maio de 2022

Mais uma volta...


Nasci num 14 de maio, no meio do nada, em Japejú, Uruguaiana. Era uma madrugada de tempestade. Cheguei nesse turbilhão, miúda e silente, me acomodando às tormentas. Diz a mãe que eu não chorei e a parteira teve de sacudir bastante até que eu treinasse os pulmões. Quando menina sempre fui assim, quieta e atenta ao mundo que passava à minha volta. Cuidadosa com os lugares, com as pessoas, com os bichos, guardando na memória os detalhes, o que não era percebido pelos demais. 

Bem cedo, acompanhando meu pai nas suas lides radiofônicas, comecei a sonhar com ser jornalista. Esse sempre foi meu objetivo e eu o persegui como uma leoa. Mesmo quando todas as condições diziam que não, eu derrubava os obstáculos e seguia.  Tive um grande amor platônico. Saí de casa cedo, com 17 anos. Sempre cuidei de mim, sozinha e quieta. Fiz amigos queridos, amei, trabalhei, lutei e me diverti. Hoje começo a 61ª volta em torno do sol. Estrada longa de uma vida que se faz na plenitude. 

De tudo que vivi, relembro sempre as coisas boas e as tristeza deixo numa caixinha bem no fundo da memória, a qual raramente acesso. Aprendi que estamos aqui para desfrutar desse adorável jardim e que só levamos para o fim da vida o que se bebe, o que se come e o que se brinca. Já estou na curva da velhice, tentando me desapegar de muitas coisas que agora parecem não importar. Valorizo o tempo que passo com meu pai, na lentidão de sua des/memória. Valorizo os momentos com os amigos e amigas verdadeiros, aqueles que não te abandonam quando a vida pesa. Valorizo os abraços do meu amor. Valorizo os filhos do coração, os netos emprestados. Valorizo as batalhas que sigo travando para que esse mundo seja melhor e mais feliz. 

Gosto de ter essa pitada de Poliana, conseguindo ver as cores e a beleza de se estar vivo, apesar dos escombros. Gosto da pessoa que fui, da que estou sendo e da velhinha que serei, se chegar lá. Sim, carrego ódios e desejos de violência contra os vilões do amor, mas não deixo que isso me impeça de viver o melhor do mundo. Desfruto do pôr-do-sol, da boa música, de uma boa cerveja, do amor dos bichos e das gentes.  Ainda tenho sonhos, coisas para realizar. Vejo sistematicamente o Arquivo X e, agora, os Doramas. Gosto da minha forma miúda, do meu cabelo cacheado, dos meus óculos, da minha cara vincada de tanta vida. Faço 61 anos e estou muito bem. Obrigada!

quinta-feira, 5 de maio de 2022

O SUS e a atenção aos velhos


 

CARTA ABERTA AOS CONSELHEIROS DA SAÚDE DE TODO PAÍS

Na sistemática luta que travamos pelo aperfeiçoamento do nosso SUS há um tema que precisa de mais discussão: a velhice. Vivemos no país um aumento cada vez maior do número de velhos, e doenças como a demência – nos seus mais variados tipos – tem sido um desafio para as famílias que precisam conviver com ela.  

Faço parte de um grupo no facebook de familiares de pessoas com Alzheimer e uma das coisas mais impressionantes são os depoimentos sobre a dificuldade que é encontrar um médico que realmente saiba o que fazer com o velhinho. No geral, as famílias que não têm outro recurso a não ser o SUS enfrentam toda a tragédia que é não ter o sistema funcionando, com falta de profissionais, filas e tudo mais. E aí, o atendimento acaba também prejudicado. Até porque muitos dos profissionais que estão nos Postos não têm muita prática com a coisa da demência. Então é difícil. Como é comum na formação do médico brasileiro, a lógica é tratar a doença e não observar o aspecto da saúde na sua totalidade. Assim, um problema básico do velho com demência, a falta de sono, por exemplo, é tratada com remédios para dormir, sem se levar em conta toda a situação que envolve a demência. Isso acarreta, frequentemente, um sem número de problemas. Grande parte desses remédios causa ainda mais confusão mental e não induz ao sono.

Outro sintoma, como as alucinações, são tratadas com antipsicóticos, o que é um erro, pois acaba piorando a situação na maioria dos casos. Isso sem contar os efeitos colaterais de cada um dos remédios, que no velho com demência parecem se fazer todinhos, quando não dopam completamente, impedindo o velho de ter uma vida em família.

Nesse sentido, garantir que o médico do posto tenha uma capacitação para o trato desses pacientes é fundamental. Ou, melhor, que as equipes dos Postos de Saúde passem a contar com um geriatra, também capacitado para as demências, que hoje parecem ter aumentado significativamente de número. Essa é uma batalha necessária para garantir verdadeiramente uma melhor qualidade de vida ao velho com demência.

Outra questão envolve os cuidadores. Como as famílias são pequenas, em geral é sempre muito sacrificante para quem assume o cuidado. No caso das famílias empobrecidas geralmente alguém precisa parar de trabalhar ou de estudar para assumir o cuidado e esta é uma situação que esgota demais a pessoa, que passa também a adoecer. Até porque um a menos trabalhando significa ainda mais dificuldade para reproduzir a vida.

Seria muito importante que o SUS pudesse oferecer cuidadores capacitados para que as famílias pudessem contar com a possibilidade de solicitar um profissional para quando precisam descansar ou fazer alguma atividade de lazer. O cuidado de 24 horas arrasa com as pessoas. Alguns familiares comentam que deveria haver creche para idosos, onde eles pudessem ficar durante o dia, mas isso não funciona bem para o velho com demência. Esse tipo de doença exige uma rotina fixa e é impensável para um cuidador deslocar o doente para outro ambiente, acordá-lo em determinado horário e coisas assim. Ter um atendimento domiciliar é extremamente necessário. Muitas vezes um dia de descanso repõe as energias de quem vive um carrossel de emoções a cada 24 horas.

Estas são apenas algumas ideias para a discussão, afinal, parece cada dia mais necessário que o Estado deva garantir políticas públicas que atendam às demandas dos velhos com demência e suas famílias. Já basta termos de vivenciar a romantização da velhice, como se fosse uma “melhor idade”. Não é. E para as famílias empobrecidas  - que conformam a maioria  - a situação é ainda pior. No geral, os cuidadores são pessoas que também estão entrando na fase da velhice e o desgaste acaba sendo maior. São velhos cuidando de pessoas mais velhas. E os dramas envolvendo a doença bem como a impossibilidade de lidar com ela vai constituindo almas em escombros, também incapacitadas para o cuidado. O sofrimento é duplo: enfrentar a doença dos pais ou avós e desenvolver sofrimentos mentais inexprimíveis.

É tempo de o SUS abarcar esse grupo e é momento de os conselheiros de saúde começarem a pressionar para que também esses serviços sejam prestados pelo SUS, com a qualidade necessária. Envelhecer no capitalismo – sendo da classe trabalhadora - é ter de enfrentar essa fase da vida com muito mais dificuldade que a fase adulta – quando da exploração pelo trabalho. Porque o velho é visto como um inútil, não produtivo, o que torna tudo ainda mais difícil.

Que o SUS avance para o cuidado com os velhos, dementes ou não.

 

terça-feira, 3 de maio de 2022

Irineu e Joana vencem o terceiro turno

Foto: João Eduardo Cardoso Pinheiro/Agecom/UFSC


O Conselho Universitário da UFSC não embarcou na canoa do golpe tentado por um professor que representa grupo bem específico na universidade. O mesmo que tentou por meses a fio inviabilizar a direção do Centro Socioeconômico, buscando barrar a construção de um regimento construído de maneira ultra participativa. Não por acaso, o diretor do CSE era o professor Irineu Manoel de Souza.  

Agora que Irineu venceu as eleições para a reitoria da UFSC certamente não iram deixar que tudo corresse bem. E, não se enganem, caso o resultado fosse diferente, nada disso teria acontecido. O resultado seria aceito e a vida seguiria em paz. 

Foi assim que a chapa Universidade Presente, de Irineu e Joana, enfrentou nesta segunda-feira mais um turno das eleições. Para azar do golpista o CUn decidiu acatar o resultado das urnas, como historicamente sempre aconteceu. Ainda assim aparecem três votos para a chapa que foi apresentada sem ter passado pelo crivo da eleição. Ou seja, existem três conselheiros que seguem apostando no atraso e no obscurantismo. Como a votação foi secreta, não saberemos quem foi. 

Para viver mais este turno, na manhã chuvosa deste começo de maio, a reitoria se encheu de gente, estudantes, técnicos e professores, que foram apoiar a chapa vencedora e cuidar pra que os acordos fossem mantidos. Havia tempos que não se via esse barulho, essa vibração, essa força que brota da união daqueles que lutam por uma universidade necessária. Foi bonito de ver. 

Terminada a votação, o grito de alegria ecoou, enquanto Irineu e Joana reafirmavam suas propostas e alertavam: ainda não está terminado! Agora, com a lista tríplice encaminhada ao MEC, o presidente da República vai decidir quem assume a UFSC. Será o quarto turno. E, não se sabe o que pode sair daquela cabeça. Caso não seja a chapa vencedora, outras lutas virão. 

Mas, ainda que o presidente assine a condução de Irineu e Joana, já se sabe que os golpistas seguirão agindo. Já tramita ação na justiça. O quinto turno. E, se perderem aí certamente ficarão infernizando por todo o mandato. Assim que não será fácil dirigir a UFSC tendo de esgrimir os inimigos internos. Por sorte a comunidade os conhece bem e saberá enfrentar. 

Por enquanto, a UFSC celebra. A eleição foi realizada, o CUn respaldou. Ainda há que esperar o quarto turno, numa espera ativa a mobilizada, afinal, o processo não acabou.  


domingo, 1 de maio de 2022

Os "democratas" da UFSC


Toda eleição para a reitoria é a mesma coisa. Se o resultado não interessa aos “democratas” de plantão, há uma tentativa de barrar a posse através da alegação de que o processo não respeitou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, que exige um peso de 70% para professores e a divisão dos outros 30% entre técnicos-administrativos e estudantes. É justamente por isso que a consulta é informal. Ela acontece a partir de um acordo político e o candidato eleito é colocado numa lista que depois vai ao Conselho Universitário, onde a conformação é justamente de 70/30. Essa consulta não burla a lei e ela pode ser feito do jeito que as entidades quiserem. É a forma encontrada para garantir uma participação paritária já que não há qualquer argumento que respalde a ideia de que os professores são mais iguais que os outros. Mas, é preciso entender essa história e porque as coisas são assim. Explico.

Como nasceu a LDB

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) que hoje está em vigor foi aprovada em 1996, diante de um movimento social perplexo pela ação do então senador Darcy Ribeiro, que atropelando um debate democrático de anos, apresentou um substitutivo e conseguiu aprova-lo, apesar dos fortes protestos que aconteceram em todo o território nacional. Na nova lei, um dos pontos que configurou tremenda derrota para os trabalhadores foi justamente o que definiu a superioridade dos professores que diz respeito à administração das universidades. Apenas eles poderiam se candidatar à reitoria e a escolha deveria ser feita de forma indireta, pelo Conselho Universitário, respeitando uma porcentagem de 70/30. Ou seja, 70% do peso dos votos ficaria na mão dos professores, enquanto os 30% restantes seriam divididos entre técnicos e estudantes. Com essa proposta, Darcy reforçava a ideia de que os técnico-administrativos não tinham qualquer importância na vida universitária, muito menos os estudantes.

O processo de construção da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação começou logo depois da aprovação da nova Constituição, com a apresentação de um projeto que era fruto de grandes debates públicos. Durante muitos anos, com mais força em 1989, as entidades ligadas à educação haviam discutido a proposta de LDB nos seus fóruns e tinham logrado incluir muitos pontos considerados importantes e progressistas. Justamente por isso, e por não terem uma correlação de forças favorável dentro do Congresso Nacional, que essas entidades – unidas no Fórum Nacional em Defesa da Escola Pública - optaram por aceitar um consenso com os parlamentares, evitando assim confrontos que poderiam levar a perda dos avanços.

A Lei tramitou no Congresso Nacional desde 1990, passando pelas comissões e recebendo emendas. Apesar das muitas contribuições, o caráter progressista da lei foi mantido, graças ao esforço de parlamentares como Florestan Fernandes e Jorge Hage, seu primeiro relator. Quando afinal foi submetido à pauta do Congresso para votação, em 1991, o projeto tinha sido acrescentado de 1.263 emendas. A ofensiva conservadora protelou por mais tempo a votação, encaminhando o projeto de volta para as comissões. Aí aconteceram novas eleições e mudaram os deputados. Angela Amin passou a ser a relatora da Comissão de Educação no lugar de Jorge Hage. Naqueles dias chegou a surgir um projeto substitutivo proposto por um deputado que era dono de uma rede privada de escolas. Um verdadeiro retrocesso.

A reação do Fórum Nacional em Defesa Pública conseguiu reunir mais de 10 mil pessoas em Brasília e os protestos se multiplicaram por todo o país. A ação conseguiu paralisar o projeto por dois anos. Durante esse tempo novas emendas foram apresentadas e novos relatórios foram sendo produzidos, sempre pendendo para o lado conservador. Em 1992 o processo de negociação recomeçou com o debate sobre três substitutivos diferentes. O ponto central do debate era a batalha pelo fortalecimento do sistema público de educação, enquanto os conservadores buscavam privatizar. Davam-se batalhas gigantescas no interior do Congresso, com esse tema perpassando todo o processo.

Quando todas as forças atuavam no debate das propostas apresentadas, surge, de maneira completamente inusitada, um projeto substitutivo, de autoria do então senador Darcy Ribeiro. O atropelo do novo substitutivo complicou a luta que vinha sendo feita pelo Fórum Nacional de Defesa da Escola Pública, pois, como vinha do senado, teria prioridade na votação, deixando o antigo projeto – construído coletivamente à duras penas - em desvantagem. Começou então uma batalha regimental para ver qual o projeto seria colocado em votação primeiro.

A ação de Darcy Ribeiro dividiu as forças progressistas e acabou polarizando o debate em torno de dois projetos. Um que era o da Câmara – com todas as suas idas e vindas (e alguma excrecências), e outro que era o dele. A manobra realizada por Darcy Ribeiro colocou em polvorosa o movimento pela educação outra vez. Houve protestos e lutas. Mas, ainda assim, o projeto de Darcy seguiu sendo o que balizaria a discussão, e o que é pior, incorporando novas emendas feitas pelo governo, via MEC. Era a descaracterização total do trabalho coletivo e democrático que vinha sendo feito desde 1989. E assim, a LDB é aprovada em dezembro de 1996, considerando o projeto individual de Darcy Ribeiro. Foi uma grande derrota para o movimento social.

As eleições e o peso dos trabalhadores

Como havia o entendimento de que a lei aprovada era fruto de um golpe, no campo da educação a luta continuou, visando garantir mudanças que representassem novas correlações de forças que foram se formando no legislativo. De qualquer forma, os tempos neoliberais de FHC foram difíceis para a luta popular como um todo, pois havia muitas frentes para serem atacadas, entre elas a da privatização, o que levou para segundo plano algumas questões mais pontuais. Ainda assim, no âmbito dos trabalhadores das universidades esse ponto específico da LDB, que dá aos professores todos os poderes, sempre foi discutido e combatido. Tanto que em muitas instituições federais aconteceram protestos significativos contra essa ideia. Na UFSC, por exemplo, o movimento chegou a construir uma candidatura estudantil à reitoria, buscando dar visibilidade ao completo absurdo que era deixar de fora dos fóruns de decisão àqueles que são a razão de ser da universidade. No campo dos técnicos-administrativos essa tática nunca foi usada, mas o debate pelo direito de estar em igualdade de condições nos fóruns sempre se deu.

Com o processo de luta política, as universidades conseguiram criar mecanismos de consulta à comunidade – feita através de eleições diretas – organizada pelas entidades das três categorias, docentes, técnicos e estudantes. Havia o acordo de que o nome do candidato eleito de forma paritária, ou seja, com o peso do voto não configurado nos 70/30, mas dividido em igual medida entre as três categorias, seria o enviado ao MEC pelo Conselho Universitário, esse sim configurado dentro dos parâmetros do 70/30.

Essa maneira engenhosa de escapar do reacionarismo da lei acabou sendo acolhida por todas as universidades, com eventuais casos de não cumprimento do acordo. Mas, apesar desse acerto, a batalha pela mudança, na lei, dessa regra excludente e elitista seguiu seu curso. Para os trabalhadores e estudantes, não bastava garantir o direito paritário ao voto numa eleição para reitor. Havia que garantir essa paridade também nos fóruns de decisão. Espaços como o Conselho Universitário, Colegiados de Curso e Departamentos cumprem a lógica do 70/30. Ou seja, nas instâncias cotidianas de decisão da vida universitária, técnicos e estudantes seguem como seres de segunda categoria e sem qualquer possibilidade de garantir suas demandas. Mesmo em eventuais alianças entre os dois, não conseguem superar a avassaladora maioria docente.

Por conta disso, ao longo dos anos seguiram sendo apresentadas emendas à LDB visando mudar esse estado de coisa. Mas, dentro do Congresso Nacional esse tipo de demanda não caminha. Projetos mofam nas gavetas e os trabalhadores precisam garantir, na luta cotidiana, esses espaços de poder. O que não é fácil. 

Quando começou o governo do PT, em 2004, os trabalhadores acreditavam que haveria espaço e vontade política para mudar essa lei. Mas, passados 14 anos de governo as propostas apresentadas no Congresso para mudar a LDB não avançaram. Porque há, na chamada esquerda liberal, a mesma ideia que plasmou a proposta de Darcy, de que os técnico-administrativos são menos importantes na universidade, apesar de serem maioria entre os trabalhadores. Isso segue sendo uma enorme pedra na vida universitária. Mesmo que atualmente o perfil dos trabalhadores tenha mudado significativamente, boa parte dos docentes ainda acredita que devem ter mais peso nas decisões. Esse é um embate que parece não ter fim e está presente em todos os fóruns, conseguindo um acordo apenas para o processo eleitoral, já que esse é mais visível aos olhos da sociedade. 

Assim que a tentativa de golpe na decisão da comunidade universitária, agora com a eleição de Irineu Manoel de Souza e Joana dos Passos, não é nenhuma novidade. Basta que o eleito não faça parte de um determinado grupo que se acha dono da instituição, que esse argumento da ilegalidade da consulta venha à tona. Isso já foi tentado em 2015 e a justiça apontou que não há empecilhos para consultas acertadas entre as entidades. 

Assim que nesta segunda-feira, quando o Conselho se reunir, o que se espera é que os conselheiros sigam a tradição e garantam a eleição de Irineu e Joana, escolhidos por quase 60% dos votos da comunidade. Os golpistas que chorem. 

E os trabalhadores, que se movimentem e garantam de vez a mudança na lei para que isso não tenha de voltar a acontecer. A proposta de 70/30 é ultrapassada, reacionária e fora de sentido. E se vier novamente um governo do PT, que não defraude mais os trabalhadores.


terça-feira, 26 de abril de 2022

O banho


Quem cuida de velhinho com Alzheimer sabe, o banho é um momento difícil. Mas, a gente vai aprendendo. Demorei muito pra entender que o chuveiro jamais pode ser usado, eles sentem medo, um medo profundo. Então, tem de usar o chuveirinho e ir molhando devagar, desde o pezinho até chegar ao pescoço. Mas, até chegar ao box dá um eito. 

Na fase atual do pai ele está com muita dificuldade de andar, então já não consegue mais sair correndo. Eu procuro levar ele para o banheiro logo que acorda, quando ainda está meio atordoado, despertando. É só ver que ele sentou na cama, já chamo o Renato, ele o ergue e vamos levando para o box. Aí é só lavar. Ele briga um pouquinho, mas logo relaxa.

Mas, se ele desperta bem despertadinho, a coisa complica. Ele finca pé e o jeito é dar o famoso banho de gato. Eu desenvolvi uma boa técnica de limpeza, tem dado conta, mas, claro, nada substitui um bom banho bem demorado. Hoje, a parada não deu certo. Cheguei atrasada e ele já estava com toda a pilha.

- Então seu Tavares, vamos tomar um banho agora?

- Olha, no momento, não. Muito obrigado. 

Hahahahaha, depois dessa, nem pensar... Seu Tavares é homem de opinião!

quinta-feira, 14 de abril de 2022

Mestre Sérgio Weigert



Hoje eu tinha marcado gravação do programa Pensamento Crítico e armado toda a logística para o pai. Mas, chegou na hora, faltou luz. Como a cuidadora já estava a postos eu fui curtir um pouco a minha biblioteca, coisa que não tenho feito por pura falta de tempo. Fiquei entre as estantes a tarde toda, olhando meus livros, vendo o que poderia reler, quando achei meus velhos cadernos. Eu tenho mania de guardar minhas anotações de leitura em cadernos, bem como as anotações de aula. Tenho tudo do tempo da faculdade e até algumas coisas de antes. São notas as quais eu gosto de retornar, pois sempre encontro maravilhas. Além do que, os olhos não são mais os mesmos, eu não sou a mesma, então, sempre me surpreendo. 

Pois não é que dentre os cadernos achei um que eu organizei só com as notações de aula do Sérgio Weigert, meu mestre, meu amado, aquele que iluminou a minha vida com Adelmo Genro e com a filosofia. As aulas dele eram absolutamente fantásticas e a gente esperava por elas com sofreguidão. Quando ele chegava à sala a gente sabia que seria uma manhã inesquecível. O tanto que nos desafiava a ler, a conhecer, a questionar. Pois eu gostava tanto daquelas aulas que montei um caderno específico, só das aulas do Sérgio. Uma compilação das anotações esparsas que fazia nas aulas, com uma letrinha mais compreensível. 

Foi uma alegria imensa encontrar esse caderno, perdido numa das estantes. Apesar das folhas amareladas pelo tempo, as palavras ainda estão ali, e gritam, bem assim como se fosse o Sérgio a nos exortar ao desconhecido, ao abismo, a vertigem do conhecimento. Ah, aquelas aulas deslumbrantes, aqueles debates emocionantes, aquele homem singular e apaixonante, impossível esquecer. Agora estou aqui, revendo cada página, emocionada, feliz. O Rubens Alves dizia que o que a memória amou, fica eterno, não precisa anotar. Relendo as notas eu vejo que ele tem razão. Não há ali nada de extraordinário. São coisas que posso encontrar nos livros, na internet. 

Mas, o que ficou eterno foi a forma como tudo aquilo foi passado, aquela paixão pelo conhecimento que ele derramava em nós. Ainda assim vou agora começar a compilar as notas para um arquivo de computador, só para re/cordar, passar de novo pelo coração. Modernizando as lembranças do Sérgio, que é meu mestre, que segue presente em cada texto que escrevo. Porque ele abriu as veredas necessárias em mim, e por elas eu caminho, sem medo de errar. À bênção meu amado!... Obrigada por tanto…