sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Jorge Luís encantou



O Jorginho era assim: amoroso ao extremo, perfeccionista total. O conheci em 1985, em Uruguaiana, quando fora fazer uma matéria com o André e o Pauletti. Eu trabalhava na TV local. Logo simpatizamos e ele disse: “tu vai trabalhar com a gente em Passo Fundo”. E foi dito e feito. Pauletti me convidou para trabalhar em Passo Fundo e eu fui.

Jorge Luís era repórter fotográfico. Dos bons. Era perfeito. Tirava leite de pedra e quando ia gravar uma simples entrevista, levava dois pontos de luz, usava contraluz, rebatedor, o escambau. Muitos repórteres e motoristas não gostavam de sair com ele porque demorava demais, carregava tralha demais. E tinha de montar tudo, sem as mínimas condições materiais. Inventava, criava materiais do nada.

Comecei a trabalhar com ele em Passo Fundo, também em 1985. Cada pauta era uma aventura. Aos contrários dos demais, eu adorava sair com ele, justamente por conta de sua mania de inventar e fazer o melhor possível. Éramos um grande trio: eu, ele e o Kapa, que na época trabalhava de motorista. Ele era o rei das imagens, fazia chover. E cada ângulo tinha de ser perfeito. Pasmem, ele usava o tripé para as matérias do dia-a-dia. “Deuzulivre” uma imagem tremida. Jorge era a perfeição.

Foi com ele que descobri Annoni, o primeiro acampamento do MST no Brasil. Uma cidade de 1.500 famílias. E foi ele que me apresentou cada uma daquelas pessoas que mudaram para sempre a minha vida. Era como uma alma-gêmea. Irmão. Quantas noites vividas no bar do Osvaldir, enchendo a cara e falando de imagens, de ângulos, de luz.

De tão bom que era foi chamado pela Globo do Rio de Janeiro. E para lá se foi, deixando a gente a ver navios. Mas, todos torcíamos por ele. Era o mago das imagens. Iria se dar bem na platinada.

Só que a vida no Rio foi dura demais pra ele. Não suportou ver a miséria nos morros, a fome, a violência. Viveu dores profundas, pessoais, espirituais. Um belo dia bateu na porta da minha casa, eu já em Florianópolis. Tinha abandonado a Globo, o Rio, a loucura da competição, a pressão pela imagem da dor. Ele não era pessoa para inventar, ou criar mentiras. Era um garoto com um coração gigante, capaz das ternuras mais profundas. Jamais poderia vingar num sistema de moer carne como a Globo. Uma máquina de mentiras. Não ele. Não ele.  Foram algumas semanas de lágrimas, dores e abraços, muitos abraços. Viera buscar esse carinho que só os verdadeiros amigos podem dar.

Quando partiu já estava bem melhor, acompanhado que fora pela querida Catarina, minha amiga psicóloga. Mas, de fato, nunca superou os profundos buracos que foram causados na sua alma. Viveu por muito tempo atormentado. Deixou de trabalhar. Já não aparecia mais como o mago das imagens. O tempo passou e nunca nos perdemos. Sempre falando, trocando cartas, confidências. Meu braço amigo sempre pronto para acolhê-lo. Depois de algum tempo voltou a produzir vídeos, poemas, textos. Semeava sua doce loucura em palavras e imagens, capturando outra vez a beleza das coisas e das gentes.

Cuca, cuquinha... assim me chamava.

Ontem, se foi. Encantou, chocando sua moto num caminhão. Andava pela estrada, vento na cara. Pensando sabe-se lá o que. Talvez nada. Só fruindo essa maravilha que é estar vivo, o sangue pulsando, quando tudo nos diz que essa vida é uma grande merda. Um átimo e já não estava mais. Se foi. Foi-se a turbulência, o medo, a dor. Foi-se tudo.

E o que fica, pelo menos para mim é sua imagem de menino sapeca, os olhos esbugalhados de alegria ou prazer diante de uma cena bem feita. O riso alegre e orgulhoso quando via a reportagem prontinha, editada, “perfeita”. O que fica é o seu abraço apertado, o aconchego, a amizade sincera, capaz de sobreviver a tantas turbulências.

Longe e perto, caminhamos juntos por essas veredas do jornalismo. Ele era um dos melhores, capaz de capturar numa imagem, o mundo.

Ontem encantou. Hoje está na paz! E seguirá eterno, no meu coração... valeu Jorginho, Jorge Luís, meu querido... 


A utopia, a esperança e o jornalismo


Foto: Rubens Lopes  - Ocupação Amarildo - Luta pela moradia

Se existe algo que tira totalmente a esperança de alguém é a leitura dos jornais, revistas semanais ou noticiários de TV. Vê-se de tudo, menos jornalismo. Esse é um fazer que se desintegra no universo da propaganda e do incensamento do sistema capitalista de produção. O que fazem os meios de comunicação comercial é o falseamento da realidade, escondendo-a, ou então a invenção de um presente/futuro a partir da mentira. Quem não se lembra das “armas químicas” do Iraque, que levaram a uma guerra e à destruição completa de um país? Os meios inventam realidades que, depois, se fazem reais de verdade.

Por isso não é nada fácil, nos tempos atuais, falar em esperança ou utopia. Diante do niilismo que impera no mundo, fica quase risível insistir em ideias tão dinossáuricas. Mas o ponto de vista deste ensaio é sempre o da realidade da maioria da população e é para ela que nos propomos a fazer jornalismo, o de verdade, o que já é uma utopia em si. Neste sentido, compreendendo que a vida real se tece na trama desses dois fundamentos (utopia e esperança), insistimos nos conceitos, tentando vislumbrar alguma coisa nova, que torne o jornalismo ainda uma atividade possível e necessária.

Teixeira Coelho, no seu pequeno livro O que é Utopia começa com uma assertiva que julgamos capital: um dos traços que caracteriza o humano é a esperança. Ele deixa bem claro que ter esperanças não é meramente sonhar, é, isso sim, usar a imaginação utópica. “Ela não é delirante nem fantástica. Parte de fatores subjetivos, mas guia-se por fatores objetivos”. Segundo o autor, a imaginação utópica é um projeto, algo que se lança lá na frente para seguir o rumo de sua construção.

Para Coelho, é necessário que se pense de forma muito carinhosa acerca dos mitos que sempre estiveram presente na história humana camuflados de religião, tais como a “terra sem males” e o “paraíso”, pois eles continham, e ainda contém elementos básicos do desejo de uma vida melhor. No plano das ideias, fora do juízo religioso, o autor diz que o primeiro projeto utópico foi A República, de Platão. Na cidade dos homens imaginada pelo filósofo, o fundamento era uma vida ideal. Depois, Thomas More, com sua ilha Utopia, falava de um lugar em que todos trabalhavam para todos e o faziam apenas por seis horas. “Naqueles tempos isso era uma ilusão (o trabalho por seis horas). Hoje é? Isso é imaginação utópica!” 

Teixeira Coelho também lembra que a utopia nem sempre é uma coisa boa, existem desejos que caminham para o totalitarismo, a barbárie, como o que acontece com o Admirável Mundo Novo ou 1984, na ficção, e o Nazismo e o Stalinismo, na política real.  Por isso, vê a necessidade de impor dois conceitos no gênero utopia, que divide em eutopia (lugar bom) e a distopia (lugar mau).

Segundo ele, os primeiros traços da utopia vieram com os movimentos messiânicos que, em nome de Deus, reivindicavam vantagens sociais muito vagas visando garantir apenas o presente. O alemão Erns Bloch vai relatar uma dessas manifestações da utopia na história do líder religioso e revolucionário alemão Thomas Münzer, mas certamente não concordaria que seus ideais seriam “garantias sociais vagas”. Naqueles dias, no limiar de 1500, Münzer vivia numa sociedade em que os príncipes exigiam dízimos insuportáveis, os camponeses eram barrados nas cidades, havia muita miséria e opressão. Isso provocou nele o desejo de uma sociedade em que o homem não fosse mais lobo do homem. Levou ao impulso de Justiça e à vontade impaciente de entrar no paraíso, provocou a revolução. “A luta não foi só por melhores dia,s mas para alcançar o fim de todos os dias”, diz Bloch. 

A luta que estremeceu a Alemanha daqueles dias tinha sua carga de imaginação utópica. Havia o “sonho” de voltar à liberdade do mundo comunista-cristão. Havia um “lá na frente” muito bem delimitado e possível. E mesmo depois de esmagada a revolução e assassinado o seu principal mentor, Münzer, sua negação do real injusto continuou ecoando tão atual quanto em 1500. “Enquanto os sem-nome estiverem perdidos na miséria, não pode haver descanso”, dizia. Bloch lembra que, para Münzer, o homem que chegasse ao fundo do abismo, na mais absoluta descrença e desespero, esse devia subir, tornar-se livre em Cristo, a partir da imaginação utópica. “Só na mais profunda escuridão canta o rouxinol”, vaticinava. E finaliza a história da revolução utópica de Münzer dizendo que ela não foi em vão e que “por cima das ruínas e das esferas culturais arrasadas desse mundo, brilha altaneiro o espírito da indescaraterizável utopia”.

Mas se até o tempo de Münzer a utopia era só um lugar mítico, a revolução francesa inaugura outro olhar e passa a ser um lugar no futuro, possível de construído pelo homem. Um lugar novo, filho da revolução. Não mais o “paraíso”, mas um espaço de justiça, como lembra Teixeira Coelho.  Séculos mais tarde o programa socialista/comunista radicaliza o conceito e torna o futuro historicamente determinado pela mão dos trabalhadores, que, a partir de um processo o fariam acontecer.

Teixeira Coelho acredita que o mundo caminha atualmente para a distopia (lugar ruim) e que a desilusão tende a se instalar. Ele deixa claro que o que está morrendo não é a utopia em si e sim a utopia exclusivamente política. “Mas a imaginação utópica não se limita a isso”, insiste. Vale lembrar que ele escreve o seu livro em 1981, longe das mudanças drásticas que o mundo viveu ao final da década de 80 e daí para frente, mas seu argumento continua válido. Mesmo diante das profecias de fim da história, fim das ideologias etc... há um excedente utópico que está para além da política, capaz de romper as muralhas e abrir caminhos para uma humanidade reconciliada. Aí está a esperança!

Pierre Furter, no seu livro Dialética da Esperança, escrito em 1974, traz toda a argumentação do filósofo alemão Erns Bloch sobre essa palavra tão tripudiada nos tempos pós-modernos: a esperança, que de nenhuma maneira é só um sonho, um devaneio. A esperança cósmica de Bloch nasce de uma impaciência, voltada para uma revolução que vem, que está se fazendo, que é permanente. A utopia não é um lugar que está além, supra-físico, inatingível, é um espaço concreto no futuro, que pode ser construído a partir de uma práxis criadora.

Bloch toma a felicidade como estação de partida de seu trem utópico. Acredita que todo o esforço humano desempenhado na práxis desemboca por fim na plenitude do instante, na total alegria de existir. Mas, ao contrário de outros pensadores que enxergam esse momento de plenitude como o fim, a chegada, ele insiste que a felicidade é só o “fim do começo”. É ela que dá nova significação ao passado e se abre para o futuro, é esperança permanente. “O instante de felicidade nos obriga a tentar o impossível, a criar a felicidade com outrem, porque uma esperança não se vive sozinho”, diz Bloch.

Essa ideia tão radical na esperança pode ser chamada de superficial ou “otimista demais”, como de fato é chamado o pensamento bloquiano. Mas é preciso conhecer profundamente esse pensar antes de se sentir tentado a um riso de mofa. Ao contrário de ser um “otimismo superficial” a esperança é justamente um não sonoro ao real injusto, uma insurreição humana contra o natural. “Um protesto organizado e sistemático contra o deixar-ser, contra o conformismo”, como lembra Furter. A esperança é a direção, o lugar aonde se quer chegar, vai além da aposta, é contra o absurdo de um mundo sem sentido. Ela reanima o passado, ressuscita os mortos, orienta o presente e visa, no futuro, o sumo-bem. E esse sumo-bem nada tem de Deus, de sonho. É, isso sim, um lugar geométrico para onde convergem todas as esperanças, uma totalização em movimento, em processo.

A filosofia da esperança de Bloch não é um sistema individual, a salvação do indivíduo sozinho. Sua beleza reside no fato de que quer construir um mundo não para a morada do ser, mas para a humanidade. Morada como casa, lar, e não como um abrigo para fugir da realidade. A esperança não é um bálsamo para as dores do presente. Ela é ferramenta de construção de um futuro bom, que envolverá a todos. Com ele, caminha também o filósofo Martin Buber que afirma: no desejo utópico predomina o anseio pelo que é justo, que não pode se realizar no indivíduo, mas na comunidade humana. 

O princípio da esperança constituído por Bloch nasce do fato comum do homem ter consciência de que tem fome. Quando ela chega, o ser humano trata de satisfazer essa falta e cria planos para satisfazer a fome que vai e volta. É a partir da fome que surgem os primeiros esboços de uma humanidade que se comunica: eu e o outro encontrando o caminho. A utopia parte desse princípio. É construção imaginária de situações que o homem quer que deixem de existir. É a vontade humana de ir além. Para Bloch, os sonhos acordados manifestam a fome psíquica pela qual o ser humano imagina o futuro e supera as dificuldades do hoje. 

É certo que o pensador alemão não é um tolo otimista. Ele sabe da legião de demônios que habita o humano e reconhece que o princípio da esperança pode levar ao erro, como já levou. Mas insiste que a superação das ambiguidades sempre se dá no conflito e no processo da práxis. Não é por causa dos demônios que moram em nós que vamos abdicar da utopia. “A imaginação é uma arma poderosa que serve para explorar todas as possibilidades".

O princípio da esperança desenvolvido por Bloch parte do que ele chama de possível-dialético, que permite entender a atividade humana e o dinamismo da matéria. Nele, o homem orienta o dinamismo, estabelece um alvo. Assim, a transformação do real se faz possível porque já estava mudando. A intervenção humana só transforma essa mudança em desenvolvimento infinito. Bloch, assim, reconhece a realidade como imperfeição e possibilidade. Algo que já existe e o ainda-não. Para ele, a esperança não é uma fuga para frente, mas algo que se radicaliza em função dos obstáculos que enfrenta. Democrático e amoroso, o filósofo alemão entende que, nesse processo, o contraste, o diferente, não é algo que se deva eliminar, e sim mudar. O outro não é o inimigo, mas adversário, e deve entrar no processo de afirmação plena da humanidade. Contra o niilismo que vai do não ao nada, Bloch propõe a esperança, que vai do não ao ainda-não.

Furter, seguindo as pegadas de Bloch, também afirma a concretude da esperança. “A utopia indica a alma, mas é preciso uma matéria onde se apoiar. Aí a esperança torna-se militante”. Ele lembra que, ao longo dos tempos, a utopia sempre foi ligada ao ridículo, ao inconquistável, mas que, ao contrário disso, ela tem uma função social importantíssima, talvez por isso negada. É que o pensamento utópico não esgota o real no momento imediato, exige mais do que está presente, é uma visão prospectiva do amanhã, uma forma de ação concreta. “A utopia deve ser julgada não por sua falta de realismo, mas pelo seu grau de negação da realidade, que contém o germe da transformação”(pág.152).

Furter estabelece de forma bem simples as três funções do pensamento utópico:

1 – Manifestar aos outros a existência do possível através de tendências do real.
2 – Permitir a inteligência visualizar o real de maneira a descobrir as perspectivas da sua transformação.
3 – Introduzir a exigência da radicalidade dando um passo para o novo, numa atuação militante.

Assim, a utopia encarnaria a dialética antecipadora, uma superação do ser pelo devir, um modo de pensar o mundo que se distingue do idealismo por suas dimensões concretas. Com Bloch ele afirma que a esperança é do homem e não no homem, é uma caminhada sem garantia, com risco.
Mas no mundo pós-tudo haveria ainda lugar para a esperança? Seria ainda possível esperar quando tudo fracassou? É Bloch quem fala das profundezas de sua radical e imorrível esperança. Ele reconhece o perigo do desencanto, em que a vida perde toda a finalidade e vê nisso um problema a ser superado. Diz que quando o ser humano está desencantado e insiste em fazer algo só “por fazer”, aí se instala a estupidez. Mas há saídas, e Bloch as vê, diz que o cansaço não é algo antropológico, é só a expressão social de uma desordem coletiva. “Os remédios devem ser políticos”. Para ele, o fracasso é falha humana e é o que permite a superação.

Viver no absurdo, ser castigado sem culpa, estas são questões que devem ser superadas através do pensamento utópico. Dizer não a isso, caminhar em direção ao que se sonha. “O mal é ação do homem, são escolhas que o humano inclusive justifica. Contra o mal devemos protestar, denunciar, lutar. Construir o futuro!”

Depois desse mergulho no pensamento bloquiano cabe então estabelecer a ligação entre a imaginação utópica, a esperança e a prática do jornalismo. E aqui, é bom que fique claro, o que está em discussão é um tipo bem específico de jornalismo. O que se faz para a maioria, o que é serviço público, o que não capitula, o que não é cooptado pelo poder, o que se rebela, o que avança para uma sociedade de justiça, de fomes saciadas, de festa. 

O que fica implícito é que há outros tipos de fazer jornalístico e há. Neles estão embutidas visões de mundo diferenciadas, falta de visão de mundo, interesses, ideologias. O que me disponho a discutir é o jornalismo como forma de conhecimento, que busca desvendar e desvelar o mundo a partir de uma perspectiva utópica: a de negar o real imediato que é de fome, miséria, opressão, manipulação, corrupção, indiferença, desarmonia, e, ao mesmo tempo, afirmar uma possibilidade, uma esperança, a luta de classe viva e precisando ser travada. Na narrativa jornalística, promover o que Bloch chama de “volta para trás”. Uma distância de si que analisa o passado e que, nesse narrar, recuperando a história (como historicidade e como narrativa), desperta desejos de mudança. 

Quando o jornalismo se dispõe a narrar a vida, descrevendo o que é, contextualizando, buscando na cultura os velhos mitos, já está caminhando na vereda da utopia. Porque a força poderosa da descrição viva do real pode acender o desejo de que aquilo que é, não seja mais. E pode mover homens e mulheres na direção do ainda-não.

Nesse sentido, fazer jornalismo, como forma de conhecimento, é, sob esse ponto de vista, o possível dialético de Bloch. A partir da palavra, entender a atividade humana e o dinamismo da matéria. Servir como uma cunha que vai rasgando a história, intervindo no que já estava mudando, não como mero instrumento, mas como sujeito que sonha e concretiza.

Há que caminhar em meio a tormenta e acreditar, como Jeremias, que vendo sua terra arrasada pela guerra e pela opressão, insistia: “ainda se plantarão flores nesse lugar”. E, pela força da luta, foi o que aconteceu. As flores virão, mas temos de plantar.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

O Saci


Meu pai tem aquela mania dos homens de antigamente de andar sempre com um lenço no bolso. Para nada, mas tem de estar ali. Hoje ele veio, brabo, dizendo que não encontrava mais nenhum lenço para usar.

- Mas, pai. Tu tens uns dez lenços. Onde estão?
- Não sei. Não encontro nenhum.

Lá vamos nós procurar os lenços por todo o quarto. Busca daqui, busca dali, e nada.  Hum... Problemas. Onde vou achar um lenço nesse Campeche feito forno? E sem lenço o cara não fica. A brabeza come solta.

Decido então buscar nos recônditos inauditos. Fundos de gavetas, atrás dos armários, embaixo da cama. É que às vezes ele guarda tão bem guardado que é, na verdade, um escondido. No meio das roupas de inverno observo que uma das meias está gorda demais. Vou escarafunchar.

Batata.

Dentro da meia, dobradinhos como pequenos torpedos estão os lenços. Todos eles.

- Olha pai, os lenços. Estavam aqui dentro dessa meia no fundo do armário. Como eles foram parar ali?

- Eu é que não sei. Mas, que barbaridade!


Pois é. Acho que foi coisa do Saci.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Chelsea Manning, livre!


Bradley Manning

Bradley Manning é o jovem soldado estadunidense que repassou ao Wikileaks mais de 700 arquivos secretos referentes à guerra dos EUA contra o Iraque e o Afeganistão. Ele queria, ao revelar os horrores cometidos pelos soldados do seu país, fazer com que tudo aquilo parasse. Ingenuamente acreditou que se as autoridades soubessem o que acontecia de fato, ordenariam que não houvesse mais o terror. Mas, em vez de ser visto como um herói, por informar ao mundo sobre os ataques a civis, torturas, e outras maldades, foi condenado e preso. Sua condenação foi de 35 anos e ele foi anunciado como um traidor da pátria.

Na prisão, o soldado passou por torturas físicas e psicológicas, jogado, nu, numa cela, por longos períodos de completo isolamento. Sofreu todas as dores possíveis. Enfrentando ainda todo um processo interno sobre identidade de gênero, a ele foi negado tratamento médico e acompanhamento psicológico. Por várias vezes tentou o suicídio. Como um típico jovem estadunidense ele sempre acreditou no governo e acreditava sinceramente que estava fazendo um bem ao país.

Massacrado pela perplexidade, solidão, medo, terror e angustias ele ainda conseguiu  encontrar seu verdadeiro eu. Agora, Bradley ficou no passado. Apesar de ter sido negado o tratamento com hormônios, Manning se identifica como Chelsea e assumiu definitivamente sua identidade feminina.

Em todo mundo surgiram campanhas de luta pela libertação de Chelsea, com a atuação sistemática dos movimentos de direitos humanos, visto que as condições da prisão eram absurdas e ilegais. Até o seu julgamento foi secreto.

Finalmente, num dos últimos atos do presidente Barak Obama - no governo até o dia 20 - a pena de Chelsea foi comutada de 35 para sete anos. Com essa decisão ela deverá ser posta em liberdade no próximo mês de maio.


Uma boa notícia, finalmente. Resta saber em que condições ela sairá e como enfrentará a vida fora da prisão. 

Do fundo do meu coração espero que Chelsea ainda receba a merecida honra por ter divulgado ao mundo os massacres de civis no Iraque e toda a sorte de terrores que são impostos pelos EUA aos povos que dizem "salvar". Manning, com Snowden e Assange são os heróis reais do nosso tempo. 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Recuerdos del mar


Uma das tantas maravilhas de estar no Instituto de Estudos Latino-Americanos é poder conhecer intelectuais, escritores e investigadores de tantos lugares dessa nossa Abya Yala. Nessas férias terminei de ler mais uma obra do escritor guatemalteco Rafael Cuevas Molina, que hoje vive na Costa Rica e que já participou das nossas Jornadas Bolivarianas.

Não fora o IELA como conheceria essa narrativa abissal que toca até a medula? O livro é pequeno, mas o conteúdo é gigantesco. “Recuerdos del mar” é uma história única, mas universal. Trata das lembranças de um jovem, as memórias que tem de um lugar onde foi feliz. Poderia ser qualquer um de nós.

A história é simples, quase prosaica. Um garoto, uma praia, uma menina, garotos, barcos, casas, cheiros. Mas o jeito de contar beira a perfeição. Vai-se passando pelos capítulos, que são curtos, com a sofreguidão de quem foi encantado pela escrita. A descrição da praia, das pessoas, do ambiente, o intimismo das lembranças e dos sentimentos, tudo aparece como uma manhã banhada de sol. É mágico.

A praia na tem lugar, é em algum ponto do Pacífico, com o mar bravio e a areia gris, tão típica dessa margem. Quem já pisou alguma aldeia de pescadores do Pacífico sabe bem o que digo. Esses lugares perdidos no interior da nossa América, onde as gentes se banham no mar por puro gozo e não se vislumbram corpos torrando na patética tentativa de “ficar bronzeado”. O mar é parte da vida, é parte do corpo.

A experiência humana que Rafael conta mostra essa vida imanente na beira do Pacífico, onde os dias ensolarados passam devagar e cheios de beleza. A riqueza dos detalhes, a profundidade da narrativa,  a densidade úmida da América Central, o jeito singular dos moradores, que tudo tem e nada esperam. Palmeiras, sol, mar, areia, brincadeiras, suspiros, amor, abismo de sentires. O olhar ferino de quem observa os forasteiros que buscam a praia no verão, deixado-a cheia de lixo e nada levando. Uma paisagem especulada, nada mais. Enquanto que para os moradores é pura vida.  

A gente termina o texto com lágrimas nos olhos. Pela solidão do homem, pela dureza do progresso que tudo destrói, pela certeza de que o monstro da especulação segue comendo paisagens e vidas. Mas também se sente uma afável ternura. Pela vida que segue, que se amolda, que resiste.


"Recuerdos del mar" é mais um livro incrível desse romancista de honor, Rafael Molina, e está no IELA, na Biblioteca Simón Rodríguez,  para quem quiser ler. Sem sair da cadeira, passeamos por essa risca de terra úmida que é a América Central e vamos conhecendo melhor nossos irmãos e irmãs abyaiálicos...


Nova ação comunitária no Campeche

Comunidade, cansada de esperar uma ação da prefeitura, está agindo.


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Campeche segue em luta





















Do elevado em frente ao Rancho da Canoa alguns moradores observavam a praia. Estavam silenciosos e inquietos. Na areia um festival de guarda-sóis coloria toda a faixa e o mar batia forte. Ouvia-se o riso das crianças e os gritos da juventude serpenteando sobre as ondas. Na cabeça de cada uma daquelas pessoas em frente ao rancho passava um filme, sobre um Campeche sonhado e lutado.  Do lado, o rio Rafael vertia água pútrida, caminhando direto para o mar. Janice Tirelli vaticinou: “é o começo do fim”.  O bairro-jardim, tão duramente defendido ao longo dos anos de discussão sobre o Plano Diretor parece cada dia mais distante. Ao longe, os condomínios assomam nas dunas, parecendo tripudiar daquelas almas pensativas.  

Ninguém ali é contra o turismo ou os visitantes que todo ano procuram o Campeche para as férias. Não. O que sempre vigiaram foi o cuidado com a praia, afinal, ela é de todos, nativos ou não. É pública, é bela, é limpa. E assim tem de ser, para quem mora e para quem está de  fazem fossa e que aproveitam a tubulação da água pluvial para jogar o esgoto. É bom que se lembre: não há rede de esgoto no Campeche. Além disso, também pesam as construções gigantescas – de licenças ambientais duvidosas - na beira dos velhos riachos que até ontem corriam livres e limpos. Assoreados, perdidos de sua vegetação nativa, eles tentam sobreviver, sem conseguir. O máximo que conseguem chegar a ser é uma fossa aberta, escorrendo para a areia, deixando-a verde, limosa e malcheirosa.

São pelo menos três pontos críticos no Campeche. No riozinho, no rio Rafael, na Lomba do Sabão. E a comunidade cansou de esperar pelo poder público. Por isso aquela gente estava ali, no domingo, em frente ao rancho. Inquieta e impaciente.

Foram chegando devagar, dispostas a fechar os esgotos de quem estava fazendo o malfeito. Em pouco tempo já era uma algaravia só. “Isso é culpa do fulano, beltrano ligou esgoto, condomínio tal também”... Quem visse de longe pensaria que era alguma briga. Povo agitado esse nosso. Em pouco tempo apareceram os sacos de farinha, pás, enxadas. Num átimo e toda aquela gente já subia pelas dunas em busca do ponto certo do rio onde botar os sacos de areia. No minuto seguinte os sacos já estavam sendo enchidos e se formava um cordão de gente até o rio, cada um dando seu melhor esforço.

No alto das dunas, um grupo de moradores de um dos condomínios construídos na beira da praia observava a movimentação com cara de nojo. Uma das mulheres dizia: “Temos de fazer um caminho do condomínio que separe isso aqui”. O “isso aqui” éramos nós, os moradores preocupados com a limpeza da praia. Nem ali, na boca da praia, a gente consegue fugir da luta de classes. Marx sempre certo. Os endinheirados não estão nem aí para o lugar. Desde que mantenha a aparência de limpo, está tudo bem.

Do outro lado, próximo ao rio, seguia a azáfama. Sacos e mais sacos fecharam a saída para a praia. A intenção era fazer com que o esgoto voltasse e entupisse as casas e condomínios que jogam esgoto irregularmente na rede pluvial. “Aqui é a união, isso é a união. Não é marinha, não é governo, é o povo, unido”, gritava Luis, uma dos garotos que está batalhando nas barracas da praia e que tirou um tempo para vir ajudar. Ele também é morador do Campeche e se importa com a praia.


A ação direta terminou quando a barra da noite já ia aparecendo. Se a administração da cidade não faz, a gente faz. A semana será de novas investigações e onde for achado esgoto será lacrado. No próximo domingo já tem outra ação marcada. Será às 19 horas, com saída em frente ao Bar do Zeca.