segunda-feira, 10 de maio de 2010

Aniversário


Nesta semana chego a um momento mágico. Completarei 600 luas de existência, 50 giros pelo sol. Um número cabalístico, cheio de feitiços. É uma coisa assim como a abertura de um portal. Desde a noite tempestuosa na qual abri meus olhos para o mundo, passaram uma ditadura, a bossa nova, Che, a revolução sexual, Tonico e Tinoco, o tropicalismo, a pílula, a anistia, as diretas, as eleições “livres”, Chávez, os movimentos originários. Tanta coisa, tanta história, se revolvendo em cada mudança de lua.

Eu fui criança, mocinha, guerreira, militante. Amei, fui amada, chorei, sofri, dei gargalhadas, brinquei de roda, pintei, toquei violão, tomei banho de mar, corri nos descampados, lavrei terra, enfrentei as tempestades, cai, levantei, estudei, escrevi.

Nas luas novas, criei. Nas luas cheias, arrebanhei, Nas crescentes, vinguei e agora, é hora de minguar. Ir desaparecendo até que volte outra vez a nova, com seu fio de luz. E assim é mesmo esta coisa doida de viver. Como a lua. Como as estações.

No verão, vicejei. Na primavera, gerei, No inverno, guardei. Agora começo a outonar. Essa é a grande verdade das gentes originárias. Não há passado ou futuro. O tempo é curvo. A gente vai e volta, na incansável “samsara”, no rodízio das estações. Em cada uma, um celebrar. Em cada uma, uma beleza a germinar.

Seiscentas luas passaram pelas minhas retinas, 600 luas... E neste pedaço de universo a terra segue seu contínuo girar. Outras luas passarão neste meu lento outonar... e a linha curva da história, do tempo e do espaço seguirá com suas surpreendentes visões. Cá no meu Campeche eu honro aos deuses pagãos, estes que embalaram a humanidade desde os tempos imemoriais.
Neste 14 de maio, debaixo de uma lua cheia, vou dançar com Kuaray. Agradecer, celebrar, silente. Sem barulho de festas ou tilintar de copos. Só o grito dos grilos, a luminosidade mágica dos vaga-lumes, o miado dos meus gatos, o carinho do cachorro e amor dos meus. Sob o céu do Campeche, esperando outras luas... Na solidão (não no vazio), grávida ainda, de tantos novos sonhos...!

2 comentários:

Revista Pobres & Nojentas disse...

Minha amiga querida, minha irmã, se quiserem os deuses estarei contigo neste dia 14. E tomara que um dia eu possa estar de novo contigo lá no Campeche...

Mimi

Azarias disse...

De autores lidos, de livros folheados, de rostos vistos, de estrelas olhadas, de musicas escutadas, de letras sentidas, não sei de onde; gostei e guardei:
"O chão da utopia é o lugar mais bonito".