domingo, 13 de fevereiro de 2011

Parem Belo Monte. Xingu livre da destruição!!

Povos originários e ribeirinhos estivem em Brasilia protestando contra a construção da Barragem de Belo Monte, no Pará. Levaram mais de 600 mil assinaturas de gente de todo o país. A obra, se levada adiante vai comprometer o modo de vida de milhares de pessoas, além de inundar quilômetros de terra indígena. As imagens são do companheiro Todd Southgate, o mesmo que está produzindo um vídeo sobre a derrubada do Bar do Chico no Campeche. As gentes defendem a Amazônia, mas o governo se mostra surdo e diz que "fará o que tem de fazer", ou seja, seguir com a destruição. É preciso parar Belo Monte. Essa é uma luta de todos nós.


2 comentários:

José Fonte de Santa Ana disse...

Prezada Elaine Tavares, postei dias atrás um artigo sobre Belo Monte.
"Governo da contenção de gastos libera Um Bilhão só inicialmente, para destruírem também só inicialmente, centenas de Bilhões de dólares em recursos naturais, para o que foi e é condenável desde a primeira intenção. O Complexo Hidrelétrico Belo Monte.".
Após é claro, montanha de cálculos. Mapas tirados dos satélites talvez com precisão de se contar formigas por cm². Centenas e talvez até milhares de plantas de projetos. Milhões de dólares em pré-isso e pré-aquilo. Para que? Para saber o que qualquer índio ali por perto sabe e lhes diria sem cobrar nada. Isto aí nunca vai dar certo. Para o Complexo Hidrelétrico de Belo Monte.
É impressionante a guerra de argumentos que se travou e ainda se trava com seus prós e contras à construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Chega à um desgaste tal que quase nos vence pelo cansaço. Por conta dos tantos pode e não pode, proíbe e permite, juiz veta e supremo libera ou vice-versa. Ministro favor x ministro contra. Especialistas internacionais em clima, finanças, economia, geologia, geografia, topografia, engenharia, metereologia e etc. Avaliam o custo benefício da obra e absolutamente todos que não vão ganhar dinheiro com este empreendimento, o condenam. Diferentemente de outros projetos que mesmo não ganhando algum dinheiro, a maioria aprova o empreendimento.
Avaliaram e condenaram até ganhos e perdas por se ter a imagem e ou nome vinculados à este negócio, que, ninguém conseguiu provar que vale a pena. Pois como haveriam de aprovar a destruição de milhões de hectares cheios de plantas e animais da Floresta Amazônica? Concordariam em destruir uma quantidade incalculável da mais rica biodversidade da Terra e, em alterar este Bioma para sempre? No momento em que todo o planeta estuda uma maneira de pagar para quem tem um tanto qualquer por menor que seja de árvores da Floresta Amazônica, manterem-nas de pé. Tudo para preservar o meio ambiente.
Não existe 1% de dados favoráveis para a construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Até a queda natural da água nesta região, ou seja, o declínio do terreno, é desfavorável à um empreendimento como este.
Iria consumir dezenas a centenas de trilhões de dólares até o seu final, para por fim consumir outras dezenas de centenas de trilhões de dólares de recursos naturais que ía literalmente parar debaixo d´água. Impossível estimar sequer o montante deste ivestimento, talvez nunca saibamos o quanto se perdeu nem ao seu final. De recursos financeiros e naturais jamais passíveis de recuperação.
O que este projeto já consumiu de recursos, paciência, mas podemos evitar perder grande parte do Um Bilhão já liberado pelo nosso governo e ainda não perder mais aonde só se é possível isto. Perguntem a qualquer Índio na região, o que ele acha desta gigantesca ambição do homem branco. E o índio com certeza vai lhes responder com a sua natural humildade e sem cobrar nada. Isto nunca vai dar certo.
José Fonte de Santa Ana.

Carlão...(Baal Teshuvá) disse...

Parabéns para ibama e para a fundação chico mendes. O mundo imperialista agradece