terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Deu no jornal O Paraense


Começam nesta segunda-feira, 21, as obras da maior usina hidrelétrica da Amazônia, segunda maior do Brasil. Para tornar irreversível a usina de Belo Monte no rio Xingu, sudeste do Pará, o governo federal incentivou a empresa Norte Energia S. A., responsável pela construção de Belo Monte, a antecipar para ontem a assinatura do contrato com o consórcio construtor das obras civis da usina, localizada na região de Altamira.

A primeira ordem de serviço para o início dos trabalhos da usina de Belo Monte será emitida nesta segunda-feira, autorizando o início das obras de terraplanagem, a construção dos canteiros de obras e a implantação e melhoria de acessos. A segunda ordem de serviços, que contemplará o objeto do contrato, ou seja: as obras definitivas da usina hidrelétrica, ainda não foi agendada pela Norte Energia.
Dez empresas fazem parte do consórcio construtor de Belo Monte, que será liderado pela empreiteira Andrade Gutierrez, que receberão nesta primeira etapa R$ 13,8 bilhões, o maior contrato do governo federal em vigência no País. As empreiteiras que participarão da construção de Belo Monte são: Camargo Corrêa, Norberto Odebrechet, OAS Ltda, Queiroz Galvão, Contern, Galvão Engenharia, Serveng-Civilsan, Cetenco e J. Malucelli. O governo federal tem interesse na rápida construção de Belo Monte, obra incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e que sempre teve o incentivo da hoje presidente Dlma Rossef desde os tempos em que ela, Dilma, comandou o Ministério das Minas e Energia, no primeiro mandato do presidente Lula.

Polêmica, a usina de Belo Monte vem sendo questionada pelo Ministério Público Federal, organizações não governamentais ambientalistas e indigenistas, nacionais e estrangeiras, e até mesmo por órgãos governamentais, como a Fundação Nacional do Índio (Funai). A UHE Belo Monte terá capacidade instalada de 11.233,1 MW de potência e geração anual prevista de 38.790.156 MWh ou 4.571 MW médios. A geração de energia de Belo Monte começará em fevereiro de 2015.

Um comentário:

José Fonte de Santa Ana disse...

Autorizar o complexo hidrelétrico de Belo Monte seria endossar a morte de milhões de animais e a destruição de lhões de dólares incalculáveis de grande parte de uma vegetação que levou milhões de anos para se desenvolver como equilíbrio climático de nosso planeta, a Floresta Amazônica. O que abriria ferida irreversível no pulmão da Terra e abreviaria a vida que nela floresce.
Ainda há tempo de pararmos esta obra, que aceleraria os distúrbios climáticos não só no Brasil, mas por todo o nosso planeta. Pois estariam alterando o curso natural de sua maior Bacia Hidrográfica.
José Fonte de Santa Ana.