quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

O pai e a autonomia


Quem acompanha as postagens que faço sobre meu pai sabe o quanto ele é marrento. Tudo tem de ser o seu jeito. Hoje ele acordou animado, depois de um dia de resfriado que o pegou de jeito e me deixou a noite toda acordada. 

Levantou serelepe lá pelas nove e meia, já com o cigarro entre os dedos. Quando chegou na cozinha foi que notei. Estava com um chinelo no pé e uma sandália no outro, esta ainda no pé errado, toda torta.

- Pai, tás com dois chinelos diferentes.

-Não tô nada. Tá tudo certo aqui - rebateu, olhando com cuidado os pés.

Eu como ando estudando Espinosa, que diz que as ações adequadas são aquelas que são úteis e aumentam a potencia de ser, deixei pra lá.  Afinal, decidir sobre sua indumentária é uma das poucas autonomias que ele ainda tem.

- Tá bom então, ficou até bonito.

E ele se foi, bem faceiro, arrumar a cama. 


Um comentário:

Révero Ribeiro disse...

Linda pérola que você nos oferece.